Joana Dias, voluntária na “Just a Change”:

Uma das melhores experiências a nível de voluntariado que tive até agora foi no Just a Change. Tive conhecimento da existência deste projeto através de uma partilha na página do MEQ SOLIDÁRIO, onde informava que estavam abertas as inscrições para os campos de verão do Just. Sem saber que tipo de projeto era, tentei informar-me um pouco, falei com algumas pessoas que já tinham feito e todos recomendaram imenso. O Just a Change tem como missão reabilitar casas e com isso criar mudanças fundamentais nas vidas de quem lá mora, assim, o lema do Just é: “Reabilitamos Casas, Reconstruímos Vidas.”.Através deste projeto percebemos que ainda existem muitas pessoas a viver em situações de pobreza habitacional, situações essas que a muitos de nós não nos passa pela cabeça, como por exemplo viver sem casa de banho ou sem a possibilidade de ter aquecimento no inverno. Estas situações são sinalizadas pelos municípios ou pelas fundações e o Just intervém. Existem vários programas ao longo do ano e em diversos sítios do país, sendo que eu já fiz dois, um campo de verão e os semestres. Comecei no verão de 2018 onde fiz o campo de Sever do Vouga. Estava um pouco receosa de ir 12 dias para um campo sem conhecer ninguém, mas ao mesmo tempo queria fazer algo de diferente nesse verão, então convenci um amigo a inscrever-se também e fomos os dois. Os campos têm à volta de 40 pessoas, e somos divididos por equipas. Cada equipa é composta por cerca de 5 voluntários e um coordenador, contamos sempre com a presença de um mestre de obras, alguém que percebe realmente do que estamos afazer e que nos vai ensinando e dando indicações. A minha equipa ficou “encarregue” da casa da Sra. Isabel e do Sr. João, um casal de idosos que vivia numa casa muito antiga, ainda com paredes de pedra muito tortas, imensas infiltrações e um teto de madeira já podre. Tinham apenas duas divisões, uma cozinha e um quarto e sim, não tinham casa de banho… O nosso trabalho passou por revestir toda a casa com pladur, fazer uma casa de banho, revestir todo o chão com tijoleira, entre outras coisas. Ao longo desses dias trabalhámos o melhor que conseguimos para dar uma casa àquelas pessoas e a relação que vamos construindo com os beneficiários é o melhor que podemos receber em troca. No caso dos beneficiários da minha equipa, estes estavam um pouco receosos em nos receber no início, mas no final da semana já se emocionavam só de verem como estava a ficar a sua casa e que estavam finalmente a ter uma habitação que mereciam. Para além do sentimento de que fizemos a diferença na vida de alguém, o Just também nos dá amigos. Pessoas espetaculares com quem passamos os melhores momentos daqueles dias, uma vez que o nosso horário de trabalho era mais ou menos das 9h às 17h, o resto do tempo era passado com os outros voluntários, desde idas ao rio a cantorias pela noite fora. Posso então dizer que os campos de verão do Just são qualquer coisa de outro mundo e tenciono repetir este verão!
Quando começou o novo semestre senti saudades dos dias de trolha,de chapar parede, de pintar, etc… Então decidi inscrever-me no semestre do Just. O semestre ocupa apenas uma tarde ou uma manhã de quinze em quinze dias, consoante o dia em que tivermos disponibilidade. Essas poucas horas acabaram por se tornar as melhores horas da semana, nas quais podia espairecer um bocadinho e o que a nós ocupava pouco tempo, na vida de alguém teve imenso impacto. É completamente diferente fazer campo ou semestre, enquanto que no campo vemos todo o desenvolvimento da nossa obra, somos nós que começamos e acabamos e somos sempre os mesmos voluntários com quem os beneficiários vão falando, no semestre, numa semana vemos a casa e passado quinze dias já está completamente diferente. No entanto, ambas as experiências são muito gratificantes. A forma como uma simples conversa com um beneficiário nos enche o coração é algo inexplicável e, por isso,agradeço ao Just por me ter dado a oportunidade de ver o mundo com outros olhos. Por fim, posso apenas recomendar que estejam atentos à página do MEQ SOLIDÁRIO, porque a qualquer momento pode aparecer um projeto que vos faça querer fazer algo de diferente enquanto ajudam o próximo! E acreditem que ser voluntário é receber muito mais do que o que dão!

JOANA DIAS, 19